Bombeiros encerram as buscas por vítimas de acidente em Santos

Por Carolina Santos
Bombeiros trabalharam durante todo o dia no local do acidente | Paulo Whitaker/Reuters Bombeiros trabalharam durante todo o dia no local do acidente | Paulo Whitaker/Reuters

O Corpo de Bombeiros de Santos, no litoral de São Paulo, concluiu os trabalhos no local onde se formou uma cratera após a queda do jato que levava o candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos.

Os últimos vestígios dos corpos já foram recolhidos e estão sendo encaminhados para o IML central de São Paulo, onde deve ser feito o DNA para reconhecimento das vítimas.

Os restos mortais das sete vítimas do acidente devem ser identificados e liberados para as famílias em até três dias, segundo o delegado Aldo Galiano.

Leia também:
•Aeronáutica localiza caixa-preta de jato que caiu com Campos a bordo
Áudio revela falas de piloto de jato de Eduardo Campos
Filhos de Campos fizeram homenagem ao pai no último domingo

Documentos são encontrados

Os documentos de Eduardo Campos foram encontrados na manhã desta quinta-feira pelo Corpo de Bombeiros. Eles serão encaminhados para São Paulo.

A corporação trabalhava em uma área pequena de dez metros quadrados, no quintal de uma casa, onde a cabine da aeronave ficou enterrada e formou um buraco de três metros.

O candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos, de 49 anos, estava a bordo da aeronave que partiu do Rio de Janeiro e tinha como destino a cidade paulista para a realização de um compromisso de campanha.

Segundo testemunhas, a aeronave se desintegrou totalmente ao cair em Santos. O candidato estava acompanhado do assessor Carlos Percol e de equipes de filmagem.

Criança ferida deixa o hospital

A última das 11 pessoas feridas em terra pela queda do avião, em que morreram o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e mais seis pessoas, deixou a Santa Casa de Misericórdia, em Santos (São Paulo), na manhã desta quinta-feira. A criança, de pouco mais de 1 ano, ficou internada em observação, devido às escoriações causadas por estilhaços.

Veja imagens do acidente:

[metrogallerymaker id=”306″]

Veja a lista com os nomes das vítimas do acidente:

Eduardo Henrique Accioly Campos – Campos foi deputado estadual, três vezes deputado federal, secretário estadual de Governo e de Fazenda, ministro da Ciência e Tecnologia e governador de Pernambuco por dois mandatos, aos 48 anos, o economista pernambucano. O político assumiu a presidência nacional do PSB no ano de 2005. Ele concorria pela primeira vez ao cargo mais importante da política brasileira.


Pedro Almeida Valadares Neto – Mais conhecido como Pedrinho Valadares, ele nasceu em 4 de setembro de 1965 e era um advogado. Foi deputado federal por Sergipe em três ocasiões: de 1991 a 1995; de 7 de janeiro de 1997 a 31 de janeiro de 1999, como suplente de Jerônimo Reis; e de 5 de agosto de 2010 a 31 de janeiro de 2011, também como suplente de Jerônimo, que perdeu o mandato por improbidade administrativa. Ele era um dos assessores de Campos.

Carlos Augusto Ramos Leal Filho – assessor

Marcelo de Oliveira Lyra – cinegrafista

Alexandre Severo Gomes e Silva – fotógrafo

Marcos Martins – piloto

Geraldo MP da Cunha – piloto

Caixa preta de avião que caiu chega a Brasília

A caixa preta do avião chegou a Brasília nesta quinta-feira. O gravador de voz está no Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), onde vai ocorrer a análise dos dados.

Os peritos farão uma avaliação do gravador encontrado pelos peritos no local do acidente. As gravações serão fundamentais para desvendar o que motivou o acidente.

IML tenta identificar corpos; teste de DNA será feito

Trinta peritos do IML (Instituto Médico Legal) e quatro da Polícia Federal ainda trabalham na identificação de fragmentos de corpos do acidente que matou o político Eduardo Campos nesta quarta-feira. Teste de DNA deve ser feito para o reconhecimento.

Avião de Campos apresentou falha em junho

A Polícia Civil e a Aeronáutica abriram inquéritos para investigar as causas do acidente aéreo que matou o candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos, e mais seis pessoas nesta quarta-feira (13). O avião que levava o político tinha partido do Rio de Janeiro e caiu em Santos, no litoral de São Paulo.

O jato modelo Cessna 560XL, fabricado nos EUA, tinha menos de três anos de uso e estava certificado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) até fevereiro de 2017. Em junho, porém, o avião apresentou problemas de ignição e foi impedido de decolar em Londrina, no Paraná.

A aeronave era de propriedade da AF Andrade Empreendimentos, de Ribeirão Preto, interior de São Paulo.  Já a categoria de registro era para “serviços aéreos privados”.

Segundo a regulamentação, o jato não poderia ser usado como táxi aéreo. A aeronáutica vai apurar se a aeronave foi emprestada ou alugada para o uso na campanha – se havia relação comercial, ela não tinha autorização de voar.

Além disso, serão analisados fatores como condições climáticas, problemas mecânicos e falha humana. O que se sabe até agora é que o piloto arremeteu quando se aproximava da Base Aérea do Guarujá, provavelmente prejudicado pela baixa visibilidade e pelo vento.

O piloto teria decidido aterrissar na pista no sentido oposto. Depois de fazer uma curva à esquerda, a aeronave caiu.

As equipes de resgate permanecerão por pelo menos mais 24h para recolher restos mortais e destroços, que podem servir de prova.

O acidente 

A aeronave caiu sobre área movimentada da cidade | Divulgação/ Ouvinte Band News FM A aeronave caiu sobre área movimentada da cidade | Divulgação/ Ouvinte Band News FM

O jato particular caiu, na manhã desta quarta-feira, sobre uma academia em Santos, no litoral de São Paulo. Viaturas do Corpo de Bombeiros foram encaminhadas ao local do acidente, na Rua Alexandre Herculano, para atender a ocorrência.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Santos, Daniel Onias, que falou à Rádio Bandeirantes, a aeronave se desintegrou depois de explodir.

A queda foi registrada em uma área residencial e de pequenos comércios, e destruiu a área dos fundos de uma casa.

Segundo Onias, a academia estava fechada na hora do acidente e pelo menos cinco moradias estão parcialmente destruídas.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo