Ministro do STF determina prisão de Roberto Jefferson

Por Tercio Braga
Roberto Jefferson é um dos condenados do mensalão | Daniel Marenco/Folhapress Roberto Jefferson é um dos condenados do mensalão | Daniel Marenco/Folhapress

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, determinou a prisão do presidente licenciado do PTB e ex-deputado federal Roberto Jefferson nesta sexta-feira. Ele foi condenado a sete anos e 14 dias de prisão em regime semiaberto na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Jefferson deverá cumprir a condenação em um presídio do Rio de Janeiro.

Leia mais
• Genoino tem saúde estável, aponta relatório médico
• Para Janot, houve crimes continuados no mensalão
• Para advogado, STF deve assumir falhas no julgamento do mensalão

Barbosa rejeitou o pedido de defesa de Jefferson, feito no final do ano passado, para que o condenado cumprisse prisão domiciliar devido ao seu estado de saúde. Em 2012, o ex-parlamentar fez uma cirurgia para retirada de um tumor no pâncreas.

De acordo com os advogados, o sistema penitenciário não tem condições de garantir o tratamento médico de Jefferson. Para justificar o pedido de prisão domiciliar, a defesa anexou aos documentos enviados ao STF a dieta que ele deve seguir. A dieta prescrita pelos médicos e nutrólogos inclui, no café da manhã, banana com canela, geleia real e pão preto. No almoço, o prato deve ser ter salada, arroz integral, carne ou salmão defumado e, no jantar, sopa de legumes.

Contrariando a posição da defesa, após perícia médica feita a pedido do ministro Joaquim Barbosa, os médicos do Inca (Instituto Nacional do Câncer) concluíram, em dezembro do ano passado, que o estado de saúde de Jefferson não indica necessidade de cumprimento da pena em casa ou no hospital. Segundo os médicos, o ex-deputado deve usar regularmente medicamentos e seguir dieta prescrita por nutricionista.

A VEP (Vara de Execuções Penais) do Rio de Janeiro, responsável por efetivar o cumprimento da condenação, também informou ao Supremo que o sistema carcerário do estado pode cumprir as recomendações médicas sugeridas pela junta médica. Após a manifestação da VEP, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também emitiu parecer contra o pedido de prisão domiciliar.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo