"Ditadura argentina monitorava Jango", dizem parentes à CNV

Por BAND

Parentes do ex-presidente João Goulart entregaram na última quinta-feira, à CNV (Comissão Nacional da Verdade), um documento que comprova que Jango era alvo de vigilância da Operação Condor. No documento consta que o 3º Exército pede para o governo argentino monitorar atividades dele e outros brasileiros.

Para os parentes do ex-presidente, o material reforça a tese de que ele foi assassinado pela ditadura, na chamada Operação Condor. “Este documento nos ajuda a rever a história do Brasil. Vemos muitas informações distorcidas que dizem que a operação não existiu. Para nós [parentes] o documento caracteriza que o ex-presidente era sim vigiado pela Operação Condor”, disse João Vicente Goulart, filho de Jango.

João Goulart governou o Brasil de 1961 até ser deposto pelo golpe militar de 1964. Ele morreu em dezembro de 1976, na Argentina, oficialmente de ataque cardíaco. A família suspeita que ele foi envenenado a mando da ditadura.

No documento, datado do dia 24 de março de 1976, o 3º Exército solicita a cooperação do governo argentino para vigiar os que chama de “subversivos brasileiros na República Argentina”, entre eles o ex-presidente. “Ele [João Goulart] não recebeu da ditadura nem o tratamento de ex-presidente”, disse João Vicente.

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), integrante da Subcomissão de Memória, Verdade e Justiça do Senado disse que o documento ajuda a fazer uma “exumação da verdade”, em referência à exumação do ex-presidente ocorrida em novembro para tentar esclarecer a causa da morte de Jango.

“Documentos como este trazem a verdade, que é o que nós buscamos; sem revanchismo. Eles trazem luz para determinados acontecimentos e essas informações dão conta de que é preciso aprofundar as investigações sobre a Operação Condor”, disse Rodrigues que também defendeu a prolongação dos trabalhos da CNV.

Para a integrante da CNV, Rosa Cardoso, que coordena o grupo de trabalho da comissão que estuda a Operação Condor, os documentos vão ajudar a sociedade brasileira a entender melhor o que aconteceu durante a ditadura militar.

“Há uma parte da sociedade brasileira que não conhece esta história. E o documento [recebido ontem] mostra, para que não haja dúvidas de que estes fatos aconteceram, é que houve uma conexão repressiva coma Argentina, mesmo antes do golpe militar naquele país”, disse.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo