STF espera concluir prisões do mensalão até quinta

Por Carolina Santos
Joaquim Barbosa tomará as decisões antes das férias | Gervásio Baptista/STF Joaquim Barbosa tomará as decisões antes das férias | Gervásio Baptista/STF

Os três últimos condenados no julgamento do mensalão que ainda não cumprem pena devem ter a situação definida esta semana. São eles: o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e os ex-deputados José Genoino (PT-SP) e Roberto Jefferson (PTB-RJ).

De férias a partir de quinta-feira, o STF (Supremo Tribunal Federal) deixará para 2014 apenas o julgamento dos embargos infringentes, recursos para 12 réus condenados com placar apertado em formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Por determinação do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, todos os 25 condenados devem começar, ainda que parcialmente, a  responder pelos crimes.

 

Análise dos casos

Condenado ao regime inicialmente fechado, João Paulo Cunha deverá ter a prisão decretada a qualquer momento.  Mas, por aguardar a análise de um recurso, dividirá a cela no regime semiaberto com José Dirceu e Delúbio Soares no presídio da Papuda. Aos assessores, o petista nega a intenção de renunciar ao mandato, como fizeram José Genoino, Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP), assim que foram presos.

Genoino e Jefferson pediram prisão domiciliar em função de seu estado de saúde. O ex-presidente do PT aguarda uma decisão do STF, mas tem como revés dois laudos médicos que afastam a necessidade de manter o tratamento médico exclusivamente em casa.

O delator do mensalão também teve um laudo afirmando que está curado do câncer no pâncreas. Jefferson criticou o vazamento do documento, no qual informa precisar, para o tratamento, de alimentos como salmão defumado e geleia real, que não poderiam ser oferecidos no presídio. “Alguém divulgou a dieta para me ridicularizar“, desabafou em seu blog.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo