A misteriosa, violenta e desconhecida máfia foggiana, que age há 40 anos na Itália

A máfia de Foggia, cujo ramo mais poderoso é a Società Foggiana, é menos conhecida que a Cosa Nostra siciliana, a Ndrangheta calabresa e a Camorra napolitana. No entanto, alguns a consideram o grupo criminoso mais violento da Itália hoje.

Por Pablo Esparza - Da BBC News Mundo

É uma das organizações criminosas mais violentas da Itália. É também uma das menos conhecidas.

Diferentemente da Cosa Nostra siciliana e da Camorra napolitana, a máfia de Foggia, uma província às margens do mar Adriático, não deu origem a mitos cinematográficos como Vito Corleone, da trilogia "O Poderoso Chefão", ou "Gomorra", filme inspirado no livro do jornalista Roberto Saviano.

Seus crimes raramente vão parar nas manchetes internacionais, como os de 'Ndrangheta, a multinacional criminosa calabresa que fecha acordos com traficantes mexicanos e colombianos e controla o tráfico de cocaína na Europa.

Nesta aparente discrição está, segundo especialistas, parte do perigo da criminalidade foggiana.

Até poucos anos atrás, ela nem sequer era formalmente considerada uma máfia. O termo estava mais relacionado às organizações criminosas italianas "tradicionais".

A 'quarta máfia'

Hoje, no entanto, as autoridades se referem ao grupo como a "quarta máfia" e alertam sobre seu poder, sua capacidade de se infiltrar na economia e na política locais e sobre sua violência.

A província de Foggia – a segunda maior da Itália em extensão – está localizada no norte da região de Apúlia.

104234863gettyimages6267741162-39da9c0d341d35c6e9f6ea9807a0d60e.jpg

"No imaginário coletivo italiano, Foggia representa as margens paradisíacas de Gargano, o padre Pio (um sacerdote reverenciado pelos católicos, cujos restos resto estão na província) e mussarela com azeite de oliva. E, ainda assim, aqui se atira e se mata", diz Piernicola Silvis, escritor e chefe de polícia de Foggia entre 2014 e agosto de 2017.

"Quando começarem a ver essa imagem da violência real começarão a combatê-la", acrescenta.

300 crimes violentos em 40 anos

Nos últimos 40 anos, 300 crimes violentos de características mafiosas foram cometidos na província. Cerca de 80% deles não foram resolvidos, de acordo com as autoridades locais.

"O fato de ser um fenômeno local não o torna menos perigoso. Eles podem não ser internacionalizados, mas podem ser muito prejudiciais para a população local", diz Federico Varese, especialista em máfias da Universidade de Oxford.

Um dos crimes mais notórios realizados por essa organização aconteceu em 8 de agosto de 2017.

Os mafiosos Mario Luciano Romito e seu cunhado Matteo de Palma foram mortos a tiros de AK-47 e de um fuzil calibre 12 numa emboscada em uma estrada.

A polícia atribuiu o tiroteio a uma "nova guerra da máfia" causada de tráfico de drogas vindas da Albânia.

Mas diferentemente da maioria dos casos de violência da máfia foggiana, naquela ocasião também morreram dois cidadãos alheios ao crime organizado: os irmãos Luigi e Aurelio Luciani, dois agricultores que teriam testemunhado o tiroteio.

'Implacável e impenetrável'

Esse ataque em plena luz do dia fez o Estado italiano reforçar a luta contra a máfia foggiana e fez muitos se questionarem sobre a origem dessa violência em uma província de pouco mais de 600.000 pessoas que costumam ficar fora dos holofotes.

104279104mapafoggianc-84574136ddd34da2bdd0d26dde5980ff.jpg

"A máfia foggiana é particularmente cruel e impenetrável…Como esse último episódio dramático demonstra, é claramente mais violenta e agressiva do que as máfias mais organizadas como a 'Ndrangheta, a Cosa Nostra e a Camorra", disse Franco Roberti, então Procurador Nacional Antimáfia e Antiterrorismo, pouco depois do ocorrido.

As origens da máfia em Foggia

Para entender as origens do fenômeno da máfia em Foggia, é preciso voltar 40 anos no tempo.

Enquanto Camorra e as máfias da Sicília e da Calábria têm mais de 100 anos de história, o nascimento da máfia foggiana ocorreu por volta de 1979.

Em um hotel na cidade de Lucera, no interior da província, um grupo de criminosos locais se reuniram com Raffaele Cutolo, fundador da Nuova Camorra Organizzata, um grupo camorrista ativo nos anos 1970 e 1980.

O chefe napolitano procurava expandir suas atividades para a região de Apúlia – limítrofe com Campania, o local tradicional de ação da Camorra – a fim de controlar as rotas de tráfico de drogas entre o mar Adriático e o mar Tirreno.

Esse movimento de expansão também levou ao nascimento da Sacra Corona Unita, uma organização mafiosa ativa no centro e no sul de Apúlia, hoje enfraquecida pela ação policial.

No entanto, a estratégia de Cutolo não deu o resultado esperado em Foggia.

"Em meados da década de 1980, os foggianos romperam com Cutolo e se tornaram um grupo autônomo", diz Silvis, ex-chefe de polícia de Foggia. Agora esta "quarta máfia" está consolidada e se espalha na região por meio de três filiais independentes que operam em áreas diferentes.

104234865gettyimages1055942482-7fdf92322cc6242085e4142d1a2a50ae.jpg

Uma organização violenta e hermética

Apesar da ruptura com Cutolo, os mafiosos de Foggia aprenderam com a Nuova Camorra Organizzata uma de suas principais características: o exercício da violência extrema.

Da 'Ndrangheta, por outro lado, adotaram uma estrutura baseada principalmente em laços de sangue, o que resulta numa organização hermética.

"Em Foggia ninguém denuncia a extorsão da máfia, e os poucos que o fazem pontualmente, retraem-se", escreveu Giuseppe Gatti, substituto do procurador da Direção Antimáfia do distrito de Bari, na província de Bari, vizinha à de Foggia.

"Não houve colaborações com a Justiça entre 2007 e hoje. As poucas pessoas que tentaram foram abandonadas pela família, de modo que recuaram repentinamente", explicou Gatti no artigo "Quebrar a dependência da máfia desenvolvendo a legalidade de 'nós"", publicado pela associação antimáfia Libera.

A entrada às máfias tradicionais, explica o magistrado, é geralmente precedida por uma série de rituais de iniciação por meio dos quais o novo mafioso é aceito como membro do grupo.

Lazos de família e de silêncio

No caso de Foggia, a "liturgia mafiosa" não existe e não há diferença "entre a família biológica e a família mafiosa".

E essa confusão dificulta o trabalho dos investigadoras.

104234868gettyimages1055516450-f8b9c6f5b0fe7abd02e1c87f418dfca5.jpg

"Em um julgamento recente lembro que um advogado perguntou a um colaborador da máfia foggiana: 'Me diga como foi sua filiação na associação. Como foi o rito de filiação? Onde foi feito?'. A resposta foi muito clara: "Advogado, você não entendeu: em Foggia não há filiações, a máfia é minha família", diz Gatti.

O código de silêncio imposto por laços familiares dentro da própria organização criminosa também se estende ao resto da sociedade local.

No entanto, Piernicola Silvis esclarece, esses efeitos são diferentes dos vistos em outras regiões do sul da Itália, onde os grupos mafiosos são mais velhos e estão mais enraizados.

"A 'mafiosidade' não está na mentalidade das pessoas de Apúlia. (O grupo) é uma máfia porque as pessoas sentem medo, porque houve vítimas, mas não comporta o conceito de 'omerta' – o código de silêncio praticado pela máfia, que envolve a recusa em dar uma declaração à polícia sobre as atividades criminosas. Portanto, ainda é possível lutar tanto em nível social quanto em nível policial ", sugere o ex-policial Silvis.

Uma "máfia de negócios"

A extorsão generalizada e a falta de denúncias são as manifestações mais claras do terror plantado pela máfia foggiana à base de bombas e ameaças contra aqueles que se recusam a pagar o "pizzo", o preço da extorsão mafiosa.

"É um problema social. Infelizmente, 80% das lojas e empresas sofrem extorsão na província de Foggia, e isso afoga economicamente a província e seu povo", diz Silvis.

Nos últimos anos, a máfia foggiana conseguiu se infiltrar na indústria agroalimentar e no turismo, os principais motores econômicos da região, assim como nas administrações públicas locais.

Os roubos e o tráfico de drogas – ligados a grupos criminosos albaneses que traficam drogas através do mar Adriático – são as outras pernas que sustentam a rede mafiosa em Foggia.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=660qsQ7rfWE

https://www.youtube.com/watch?v=rbxSdpyRfcE

https://www.youtube.com/watch?v=jbX0fpNVIdI

©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo