Sergio Moro: Que poderes contra corrupção terá o novo ministro da Justiça ?

Entenda os poderes e desafios que o futuro ministro terá para cumprir sua principal promessa.

Por Mariana Schreiber - @marischreiber - Da BBC News Brasil em Brasília

"Todas essas sensações de que um dia a sorte (da Operação Lava Jato) poderia acabar e que nós poderíamos retornar àquele padrão de impunidade da grande corrupção, o que é algo deletério para a democracia, me levou a aceitar esse convite", disse Sergio Moro na última semana, ao explicar porque topou abandonar a magistratura para ser o ministro da Justiça e da Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro.

O combate aos desvios de dinheiro público é apenas uma das várias responsabilidade do Ministério da Justiça, mas deve ganhar papel central na gestão do futuro ministro, que se notabilizou por comandar a vara da Lava Jato em Curitiba.

Após realizar o fato inédito de condenar uma série de políticos e grandes empresários por desvios envolvendo a Petrobras, o que ele poderá fazer concretamente como ministro? A BBC News Brasil ouviu autoridades e especialistas no tema para explicar os poderes e desafios que Moro terá para combater a corrupção de dentro do governo federal.

1) Propor novas leis

Em suas primeiras declarações após aceitar o convite de Bolsonaro, Moro indicou que sua primeira medida será encaminhar ao Congresso, já no início de 2019, um pacote de propostas de novas leis anticorrupção.

A ideia é resgatar parte do que ficou conhecido como Dez Medidas Contra a Corrupção – pacote que foi desfigurado na Câmara dos Deputados em 2016 e acabou empacado no Senado – e aproveitar também algumas sugestões reunidas no livro Novas Medidas Contra a Corrupção, elaborado pela Transparência Internacional e a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Entre as propostas que Moro destacou na última semana está inserir explicitamente a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância na Constituição Federal, já que hoje isso depende da interpretação do Supremo Tribunal Federal. Moro também defendeu a necessidade de mudar as regras de prescrição de crimes (após decorrido um determinado limite de tempo, extingue a possibilidade de punição, prazo que, no caso de corrupção passiva, varia de quatro a dezesseis anos a depender do caso) e progressão da pena (quando o condenado muda de regime, por exemplo da prisão fechada para o semiaberto, após cumprir parte da condenação).

Propostas encampadas pelo Poder Executivo costumam ganhar mais holofotes e tramitar no Congresso com mais agilidade. Em 2013, por exemplo, o governo Dilma Rousseff encaminhou ao Congresso proposta que foi aprovada no mesmo ano e ficou conhecida como Lei Anticorrupção. A partir dela, passou a ser possível responsabilizar, no âmbito civil e administrativo, empresas que praticam atos lesivos à administração pública.

Para Fabiano Angélico, consultor sênior da Transparência Internacional, o fato de Moro ter grande conhecimento técnico na área, assim como uma forte imagem anticorrupção, eleva a chance de aprovação de uma nova agenda no Congresso. Ele defende, porém, a importância de equilibrar medidas de aperfeiçoamento da punição – que vem recebendo mais destaque – com melhores mecanismos de transparência e prevenção.

Um das propostas nesse sentido é criar um portal único de divulgação de todas as compras públicas, o ComprasGov, com informações básicas da operação, do fornecedor e notas fiscais, para facilitar a fiscalização externa.

"Ter alguém como Moro, que carrega uma marca anticorrupção, tem o seu peso. É importante porque dá visibilidade à agenda e dá outro peso na interlocução com o Congresso", acredita.

O professor de direito da FGV Michael Mohallem, que participou junto com Angélico do livro Novas Medidas Contra Corrupção, defende que Moro busque um pacote de leis mais "consensual", que facilite a aprovação. Um dos motivos que levou ao fracasso das Dez Medidas, pacote elaborado por membros do Ministério Público, é que havia propostas polêmicas, com potencial para ferir os direitos dos acusados, como a restrição da aplicação do habeas corpus (mecanismo que permite reverter prisões abusivas ou ilegais). Por isso, houve forte reação de parte da comunidade jurídica.

104329668hi050454435-0ab801d6efb39d7aa988c0d83962b6ce.jpg

"Ele tem que ser estratégico. O que entrar no pacote será determinante para a aprovação", afirma.

Outro fator que pode ajudá-lo é que metade do Congresso foi renovada nessa eleição, deixando sem mandato parte dos que se opuseram às Dez Medidas.

2) Fortalecer a Polícia Federal

Com a já anunciada reunificação dos ministérios da Justiça e da Segurança Pública, áreas que foram divididas pelo presidente Michel Temer, a Polícia Federal ficará subordinanda à pasta de Sergio Moro. Bolsonaro já garantiu que o futuro ministro terá autonomia para definir o diretor geral da instituição e os superintendentes.

A questão foi alvo de polêmica no atual governo, já que o primeiro diretor nomeado por Temer, Fernando Segóvia, chegou a declarar que a investigação contra o presidente por supostas ilegalidades envolvendo o Porto de Santos seria arquivada. A repercussão negativa levou à troca pelo atual comandante da instituição, Rogério Galloro, e a investigação foi concluída apontando indícios de que o presidente teria cometido crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Além de escolher bons nomes para a direção da PF, o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Edvandir Paiva, acredita que Moro terá força para brigar por mais recursos para a PF.

Segundo ele, a instituição tem sofrido com contingenciamentos em seu orçamento e redução do efetivo, devido à não reposição dos que se aposentam. Em 2014, a Polícia Federal somava 14.745 servidores ativos, segundo o Ministério do Planejamento. Hoje, são 13.734. Dados do Portal da Transparência indicam que a despesa total do órgão tem oscilado entre altas e quedas de 2014 para cá em termos reais (quando se desconta a inflação).

"Os contingenciamentos (quando a liberação do orçamento previsto é represado) atrapalham nosso planejamento e as operações. Esperamos que Moro deixe um legado ao apoiar a aprovação da PEC (proposta de alteração da Constituição) 412 que dá mais autonomia financeira à PF", defende Paiva.

104329672gettyimages5258063001-b964bf093b725a748d9fcd6137bbd033.jpg

O atual ministro da Justiça, Torquato Jardim, rebate as críticas de que o órgão não estaria recebendo o apoio necessário e ressalta que a crise fiscal permanece e deve atrapalhar o atendimento dessas demandas por Moro.

"Nós estamos vivendo uma crise econômica brutal herdada do governo Dilma. Não é só a Polícia Federal, nenhum órgão federal tem toda a verba que gostaria de ter para aumentar pessoal, remuneração e tecnologia", afirmou.

3) Articulação com outros órgãos

O combate à corrupção envolve órgãos que não estarão subordinados a Moro, como o Tribunal de Contas da União, o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), o Ministério Público e as polícias estaduais. No entanto, segundo os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, ele terá o poder de atuar como articulador, melhorando a cooperação e troca de informações entre eles.

É o Ministério da Justiça que coordena, por exemplo, a Enccla (Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro). A iniciativa, criada em 2003, agrega mais de 60 órgãos dos três poderes da República, Ministérios Públicos e da sociedade civil, que atuam, direta ou indiretamente, na prevenção e combate à corrupção e à lavagem de dinheiro. Moro, inclusive, já chegou a fazer parte.

Para a subprocuradora-geral da República Luiza Frischeisen, será importante que Moro conheça bem o funcionamento de diferentes órgãos de governo e o fluxo de dinheiro público para ter êxito nesse papel de articulador. Como ele não tem experiência ainda no Poder Executivo, será natural que primeiro tenha uma "curva de aprendizado" como ministro, acredita.

Coordenadora da Câmara Criminal da Procuradoria-Geral da República (PGR), ela lembra ainda que boa parte da corrupção do país está fragmentada em desvios de verbas federais repassadas aos governos estaduais e às mais de cinco mil prefeituras.

104329724hi050588888-788369cf7dd561286229f2c345bc1e65.jpg

"É diferente do tipo de corrupção que Moro viu quando era juiz de uma vara de lavagem de dinheiro. Ele vai ter que se apropriar desse conjunto de fatores. Quais são as verbas públicas? Para quem vai? E quais são os gargalos para fiscalização e os ralos de desvio?", ressalta.

"Ele terá que conversar muito com a CGU, pois outro caso de corrupção endêmica no Brasil envolve os recursos federais repassados a estados e municípios", concorda o ministro Torquato Jardim, que comandou o órgão antes de assumir a pasta da Justiça.

A CGU realiza desde 2003 operações de fiscalização a partir de sorteios aleatórios de municípios, metodologia que em 2015 passou a incorporar também análise de estatística para detectar as regiões de maior vulnerabilidade. Em 15 anos, foram realizadas 347 operações, em parceria com outros órgaos como a PF, que detectaram no total prejuízo de R$ 4,9 bilhões. Neste mês, por exemplo, a Operação Sombra e Escuridão desarticulou esquema de fraude em licitações de obras, locação de vículos e transporte escolar que movimentou R$ 34 milhões de 2015 a 2017 em 23 municípios do sul da Bahia.

Nesse campo, uma das propostas da Transparência Internacional e da FGV é que o governo federal crie um selo de boa conduta para prefeituras que adotem boas práticas de gestão e transparência dos gastos, de modo a melhorar o controle dos recursos. A fiscalização dessas práticas ficaria a cargo da CGU. "Mas Moro poderia ter um papel importante na elaboração e aprovação da proposta. Mais transparência e melhores procedimetos são fundamentais para prevenir a corrupção", afirma Michael Mohallem, da FGV.

Chegou a ser ventilada a hipótese de a CGU ser incorporada pelo ministério de Moro, mas isso não se confirmou. Frischeisen ressalta que, por ser responsável pela fiscalização de todo Executivo, inclusive do Ministério da Justiça, a instituição não pode estar submetida a ele. "Por todos os tratados internacionais, a CGU deve ser independente", reforça.

Também nessa seara da maior articulação dos órgãos, uma das propostas de Moro é puxar o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) do Ministério da Fazenda para o da Justiça. A proposta, porém, não é consenso já que a atual localização da pasta facilita o intercâmbio de informação com a Receita Federal.

Moro, porém, argumenta que ele teria mais condições de cuidar do órgão porque o futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, estará focado em questões econômicas, não na lavagem de dinheiro. "Precisa reestruturar e fortalecer o COAF", disse na coletiva.

4) Nomeações para tribunais federais, cortes superiores e comando do MP

É o presidente da República que nomeia ministros das cortes superiores (Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho, Tribunal Superior Eleitoral e Superior Tribunal Militar), na maioria dos casos condicionada a aprovação do Senado. Além disso, escolhe, a partir de listas elaboradas previamente pela própria categoria, os desembargadores dos tribunais regionais.

São centenas de cargos que ficam vagos gradualmente, conforme os magistrados se aposentam ou progridem na carreira, e o ministro da Justiça costuma participar ativamente como consultor nessas escolhas, destaca Mohallem, que já foi consultor jurídico na pasta durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Nesse sentido, Moro poderá levar nomes a Bolsonaro que estejam alinhados com sua linha jurídica, considerada menos garantista (expressão usada para magistrados que dão mais peso em suas decisões aos direitos dos acusados).

"Tem um espaço enorme para ocupação importante de espaços do judiciário. É uma influência silenciosa que o ministro da Justiça vai ter por muitos anos à frente (já que esses cargos são de longa duração)", observa Mohallem.

É esperado também que Moro tenha influência na escolha do próximo chefe do Ministério Público. Hoje a procuradora-geral da República é Raquel Dodge, que pode ser reconduzida por mais dois anos.

Lula deu início a uma tradição, depois seguida por Dilma Rousseff, de sempre indicar o primeiro da lista tríplice eleita pela categoria, medida que deu mais independência ao Ministério Público para investigar políticos corruptos. Dodge, escolhida por Temer, era a segunda da lista, o que gerou controvérsias pelo rompimento dessa tradição.

Bolsonaro não se comprometeu a seguir essa prática caso os eleitos pela categoria tenham o que ele classifica como "viés ideológico de esquerda".

"Hoje, o que une todos nós (procuradores) é o respeito à lista", defende a subprocuradora Luiza Frischeise, indicando que haverá pressão da categoria sobre o novo presidente para manter o processo de escolha sem interferência do governo.

5) Um ministro, muitas causas importantes

Além do combate à corrupção, em que tem o maior conhecimento, Moro terá sob sua responsabilidade outras questões sérias como a crise da segurança pública, demarcação de terras indígenas e o tratamento de imigrantes e refugiados, o que inclui a tensão envolvendo venezuelanos que ingressam em Roraima. Um grande desafio, portanto, será como conciliar tudo.

As primeiras declarações de Moro sinalizam que o combate ao crime organizado será outra prioridade ao lado da corrupção. Nesse campo, sua propostas também passam por projetos de lei, por exemplo para regulamentar o uso de "policiais disfarçados para descobrir crimes, (…) por exemplo comprando grandes carregamentos de drogas e armas".

"Pretendo utilizar forças-tarefas não só contra esquema de corrupção, mas contra o crime organizado. Nova York, na década de 1980, combateu cinco famílias poderosas por meio da criação de forças tarefas", defendeu também na coletiva de imprensa.

https://www.youtube.com/watch?v=hUrP7ILQW3A

https://www.youtube.com/watch?v=1gFM-7FNNBI

https://www.youtube.com/watch?v=660qsQ7rfWE

©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo